Quanto tempo passou desde agora?

1f190331950435-566810c04bee6

Nota prévia:
Este ensaio foi redigido em 2015 para o livro dos finalistas de Design de Comunicação da Faculdade-de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. O livro fazia parte de uma série de iniciativas, como uma exposição, debates e um documentário, agregadas sob o título Agora, irrepetível. Enquanto um dos finalistas desse ano, tentei neste texto captar o sentimento de uma geração, ou pelo menos dos colegas que me rodeavam. Hoje continuo-me a rever em algumas das ideias aqui expostas, noutras nem tanto. Não esperava outra coisa. Partilho o texto sem alterações, pois considero-o um documento mais útil no seu estado original do que revisto aos olhos da actualidade. O mais certo é que qualquer revisão feita agora esteja desactualizada daqui a 3 anos.

Agora, irrepetível.http://agorairrepetivel.belasartes.ulisboa.pt/
Comprar o livro: http://loja.belasartes.ulisboa.pt/agora-irrepet%C3%ADvel-2

Continue reading “Quanto tempo passou desde agora?”

A verdadeira expansão da FBAUL

Amanhã de manhã na FBAUL serão apresentados à comunidade escolar os novos espaços obtidos depois de um protocolo obscuro que meteu ao barulho a faculdade, a PSP e o MNAC. Parece que tudo vai começar com o derrube da parede que separa os espaços actuais dos recém adquiridos. Parece-me bem assinalar o momento, mas não se pode correr o risco de entrar em euforias. Os problemas desta escola não se vão resolver todos com mais espaço. Ao mesmo tempo, quem anda atento, sentir-se-á certamente optimista com o ambiente vivido na escola. Não por iniciativa institucional, mas pela parte dos alunos. Cada vez se fala mais a sério sobre os problemas de comunicação entre alunos e entre estes e os professores. Cada vez existem mais iniciativas, com maior ou menor expressão, mas que todas contribuem para uma nova forma de participar nos assuntos das Belas-Artes e não só. Há ainda uma nova AE, que até agora tem desenvolvido um papel fundamental em todas estas questões. Ao contrário do que acontecia antes, há agora trabalho a ser feito, e bem, a pensar na totalidade dos alunos e não apenas em grupos restritos, vestidos a rigor. De tudo o que aconteceu no dia em que a escola encerrou como protesto, cumpriu-se a mais importante das promessas: os alunos acordaram. Que amanhã se faça a cerimónia, tudo bem, mas a verdadeira razão para estar confiante no futuro desta faculdade tem acontecido todos os dias, de forma discreta e sem hora marcada.